Category Archives: Economia

Portugal desperdiça fundos comunitários ao reduzir investimento público.

De acordo com a Direcção Geral do Orçamento, a execução orçamental de 2013 esteve em linha com os objectivos definidos e o défice provisório das administrações públicas, “relevante para efeitos de aferição do cumprimento do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF)1, ascendeu a € 7.151,5 milhões para o conjunto do ano de 2013, valor que é inferior à respectiva meta em € 1.748,5 milhões”.

Trata-se de uma boa notícia para o País mas, simultaneamente, os números revelam três aspectos preocupantes na execução orçamental de 2013.
Em primeiro lugar, verificou-se um aumento da despesa corrente em 2.9 mil milhões de euros, +4.2%, que obrigou a um corte suplementar no investimento público. Em termos agregados, o total da despesa aumentou 2.3%.
Em segundo lugar, a quebra do investimento foi brutal – cerca de mil milhões de euros-, correspondendo a uma variação de -38.2% face aos já de si baixos níveis de investimentos verificados em 2012.
O peso do investimento no total da despesa caiu para 2%, um valor sem paralelo na economia portuguesa e que compara com os 3.3% de 2012.
Tendo em conta as verbas orçamentadas, esta quebra do investimento foi inesperada, e constituiu, aparentemente, um mecanismo de recurso não programado. Daí que a quebra do investimento em 2013 esteja 29% abaixo do inscrito no último orçamento rectificativo de 2013.
A redução do investimento público incidiu particularmente no sector da Construção, face à suspensão e redução do ritmo dos projectos de investimento, com quebras de:
– 66.1% nos transportes, com particular incidência na REFER;
– 74.3% na conservação e construção de edifícios na área da saúde;
– 76.2% nos outros sectores, com particular destaque para a Parque Escolar, EPE.
Em terceiro lugar, a redução do investimento público conduziu a uma redução no nível de execução dos fundos comunitários, que caíram 61% face a 2012, passando de 571 milhões de euros neste ano para 223 milhões em 2013.
Em termos agregados, os projectos de investimento financiados com fundos comunitários decresceram quase 920 milhões de euros, passando de 2.4 mil milhões de euros em 2012, para apenas 1.5 mil milhões em 2013.
Em síntese, a AECOPS congratula-se com a redução do défice público mas chama a atenção para o facto de essa redução ter sido obtida através de um corte brutal e não programado no investimento público.
A Associação defende também que, se tivesse existido uma maior moderação no crescimento da despesa corrente, teria sido possível aproveitar os fundos comunitários e aumentar o investimento público, mantendo o défice, com efeitos favoráveis no crescimento económico.

Fonte: Jornal da Construção

Outras notícias:

sika

A Sika Portugal forneceu recentemente a obra do estúdio onde será transmitido o... Ler Mais

Reabilitar-Obrascasa.com

Reabilitar para Arrendar já aprovou projetos no valor de 10 milhões [rule] Segundo escreve o Jornal de Negócios,... Ler Mais

4

O prazo de entrega da Declaração Mensal de Remunerações foi prorrogado por despacho do secretário de Estado dos... Ler Mais

top

Reabilitação Urbana

Reabilitação urbana, uma “nova fase” para o setor da construção

O setor da construção está a dar sinais de retoma, depois de ter estado mergulhado numa enorme crise. E a reabilitação urbana é encarada agora com uma “inevitabilidade”. Para Fernando Oliveira da Silva, presidente do Instituto da Construção e do Imobiliário (InCI), recuperar edifícios antigos não é “a solução” que vem salvar a construção, mas não pode ser deixada para segundo plano.

“Este setor tem de ouvir, auscultar a procura, para ir afunilando a sua oferta”, disse o responsável, durante a conferência “Observatório: O Imobiliário em Portugal”, organizada pelo Jornal de Negócios – realizou-se dia 16 de setembro.

Segundo a publicação, também Manuel Reis Campos, presidente da Associação de Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), marcou presença no evento: “Não tenho dúvidas que a reabilitação urbana assume uma nova fase para o setor”, referiu.

O responsável considerou que Portugal deve continuar a apostar na captação de investimento estrangeiro, nomeadamente através dos vistos gold: “O país deve continuar com este programa. Este investimento deve ser acarinhado”.

Manuel Salgado, vereador da Câmara Municipal de Lisboa com o pelouro do urbanismo – também esteve presente na conferência –, confirma que a mudança de paradigma, da construção nova para a reabilitação urbana, começou a ser visível na capital a partir de 2011: “O investimento passa a ser principalmente na reabilitação urbana”.

Também o homólogo do Porto, Manuel Correia Fernandes, admitiu que existem “sinais de retoma” na Invicta. É um passo importante para ir colocando fim ao problema da “obsolescência do parque construído” no centro da cidade, disse, citado pelo diário.

predios-zonahistórica

Reabilitação urbana, uma “nova fase” para o setor da... Ler Mais

sika

A Sika Portugal forneceu recentemente a obra do estúdio onde será transmitido o novo programa da RTP [rule] Parceiros há 15 anos, a RTP volta a escolher as soluções Sika para a renovação dos seus espaços de trabalho, desta feita, com os pavimentos do renovado estúdio C onde decorrerá o programa ‘A... Ler Mais

Reabilitar-Obrascasa.com

Reabilitar para Arrendar já aprovou projetos no valor de 10 milhões [rule] Segundo escreve o Jornal de Negócios, existem neste momento 47 candidaturas aprovadas ou em fase final de aprovação, que equivalem a 20% dos 50 milhões de euros de fundos europeus disponibilizados para este fim. No total, o programa já recebeu 508 candidaturas. Só a Santa Casa da... Ler Mais

4

O prazo de entrega da Declaração Mensal de Remunerações foi prorrogado por despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais até ao dia 24 de Fevereiro. [rule] Recorde-se que o prazo legal para a entrega da Declaração Mensal de Remunerações–AT é o dia 10 de cada mês. No entanto e em virtude das alterações... Ler Mais

top